O que fazemos

A grande dificuldade de estudar a biologia do autismo, ou outras doenças que afetam o sistema nervoso, é a falta de acesso às células do SNC. Com a descoberta do método para produção de células-tronco pluripotentes induzidas (induced pluripotent stem cells – iPSC) em 2006/2007 hoje é possível modelar doenças utilizando células de um paciente específico para produzir células do SNC e, assim realizar estudos que ajudam a elucidar os mecanismos da doença, preservando a genética do paciente, o que só seria possível por biópsia do tecido cerebral, ou seja, um procedimento inviável.

Para entender como funciona o Projeto A Fada do Dente, antes é preciso compreender o processo de rerprogramação celular para a obtenção das  iPSC.A reprogramação celular trata-se de uma técnica de engenharia genética combinada com biologia celular que faz com que células especializadas e diferenciadas se tornem novamente indiferenciadas, ou seja, elas voltam no tempo em que eram células embrionárias, provenientes do processo de fecundação, se tornando assim células pluripotentes, isso é, células que podem se transformar em qualquer célula do corpo, inclusive em neurônios funcionais.

No Projeto A Fada do Dente utilizamos a polpa do dente de leite, “recheio do dente” para obter as células-tronco. As células-tronco obtidas recebem a aplicação de vírus recombinantes contendo genes especiais. A partir da ação desse vírus, as células são reprogramadas e tornam-se células pluripotentes induzidas. A partir desse momento, elas são diferenciadas e transformadas em neurônios, para que finalmente possam ser estudados.

Portanto, o Projeto A Fada do Dente visa produzir neurônios derivados de iPSC reprogramadas a partir de células-tronco de dente de leite (decíduo) de indivíduos com autismo e DMD, e estudar morfológica, molecular e funcionalmente esses os neurônios, comparando-os com neurônios de indivíduos sem essas doenças.

Importante salientar que a tecnologia da modelagem permite criar uma plataforma para testar medicamentos in vitro, com objetivo de reverter o fenótipo alterado, desenvolvendo novas terapias para o autismo e DMD. Esse tipo de abordagem se enquadra na chamada Medicina Personalizada, tendência forte na área médica em grandes centros de medicina e pesquisa.

O que fazemos?

Fases do Projeto A Fada do Dente

  • Fase 01

    Coleta do dente após queda espontânea ou extração.

  • Fase 02

    Isolamento e cultivo das células-tronco obtidas a partir da polpa dentária.

  • Fase 03

    Reprogramação das células-tronco da polpa dentária para obter células pluripotentes, ou seja, a células entram no “túnel do tempo” e se tornam células semelhantes as embrionárias.

  • Fase 04

    Produção das células neuronais para modelagem celular e estudo dos mecanismos biológicos.