O que é autismo

O autismo, também chamado de Transtorno do Espectro Autista (TEA), é uma disfunção global do desenvolvimento. É uma alteração cerebral, de influência genética, que afeta e compromete a capacidade de comunicação, compreensão e fala da criança, prejudicando seu convívio e interação social.

Os sintomas podem aparecer nos primeiros meses de vida, mas dificilmente são identificados precocemente. O mais comum é que os sinais fiquem evidentes antes da criança completar três anos de idade.

O diagnóstico é essencialmente clínico. O autismo pode se manifestar em diferentes graus, do mais brando, sem comprometimento da fala e inteligência, ao mais severo, em que o paciente se mostra incapaz de manter qualquer tipo de contato interpessoal, apresenta comportamento agressivo e retardo mental.

A variedade do grau da doença é tamanha que há casos em que crianças com autismo apresentam alto desempenho em uma determinada área do conhecimento, com características de genialidade e habilidades específicas muito bem desenvolvidas, como extrema facilidade para memorizar números ou para dominar o universo da informática.

Para o autista, o relacionamento com outras pessoas costuma não despertar interesse. O contato visual com o outro é muitas vezes evitado; e a fala é usada com dificuldade. Algumas frases podem ser constantemente repetidas e a comunicação acontece, principalmente, por gestos. Os movimentos repetitivos, chamados de estereotipias, são frequentemente observados.

Tratamento

Não existe um tratamento padrão a ser utilizado. Cada paciente exige acompanhamento individual, de acordo com suas necessidades e deficiências. Algumas recomendações, porém, devem ser seguidas para uma convivência saudável e tranquila com pessoas que sofrem o distúrbio.

Respeite o limite da criança autista. Seja claro na transmissão das informações, dando a ela o tempo que for necessário para a compreensão do que está sendo passado. A paciência é essencial. Estabeleça um canal de comunicação pelo qual a criança se sinta mais à vontade para se expressar.

Evite mudanças radicais na rotina e na organização do autista. Lembre-se que qualquer alteração é muito sentida por ele. Procure comunicar qualquer atividade diferente com antecedência, com o objetivo de reduzir tais efeitos.

Fique atento e descubra as eficiências e habilidades que afloram no autista. Explorar essas potencialidades contribui consideravelmente para o seu desenvolvimento.